Subtração com Material Dourado no 3° ano

Combinar o ensino da Subtração com Material Dourado no 3° ano, é uma excelente forma de fazer com que as crianças aprendam essa operação matemática. Isso porque, ao usar determinadas ferramentas pedagógicas, os pequenos conseguem ter uma maior assimilação dos conteúdos oferecidos em sala de aula.

É por intermédio das abordagens práticas e visuais que os alunos compreendem os conceitos que, até então, eram apenas abstratos. Em outras palavras, por mais que o caderno e a lousa sejam muito importantes no processo de ensino-aprendizagem, nada melhor que uma experiência tangível.

Neste conteúdo, você vai entender melhor a importância de combinar o ensino da Subtração com Material Dourado no 3° ano. Vamos falar detalhadamente sobre o assunto e ainda apresentaremos 5 sugestões de atividades para serem aplicadas nesse tipo de estratégia.

Vamos juntos?

Por que combinar a Subtração com Material Dourado no 3° ano?

Combinar a Subtração com Material Dourado no 3° ano é fundamental. Isso porque, o ensino-aprendizagem pode ser, por vezes, desafiador. Em outras palavras, quando as crianças se deparam com determinados cálculos, especialmente na presença de números maiores, elas podem ter dificuldades de compreensão.

É neste contexto que ferramentas pedagógicas como o Material Dourado surgem para tornar essa experiência mais concreta e visual, facilitando o aprendizado dos alunos. Ou seja, os blocos dourados que representam as unidades, dezenas e centenas, proporcionam a representação física dos números, tornando a subtração mais simples e entendível.

Ao usar o Material Dourado, os professores simplificam a visualização da retirada de quantidades, fazendo com que as crianças entendam as relações entre os valores. Desta forma, os alunos realizam os cálculos, na prática, e conseguem ter uma experiência palpável com a operação matemática.

Como ensinar a Subtração com Material Dourado no 3° ano?

Para ensinar a Subtração com Material Dourado no 3° ano, é necessário introduzir o conceito de maneira gradual. Em outras palavras, o ideal é começar com cálculos simples e avançar para os mais complexos, conforme o nível de compreensão dos alunos. Além disso, é necessário:

  • utilizar representações visuais das peças douradas, destacando a diferença entre a adição e subtração;
  • propor atividades que permitam que as crianças manipulem o Material Dourado para a resolução de problemas;
  • estabelecer conexões com as situações cotidianas para um aprendizado mais significativo;
  • destacar que a subtração envolve a retirada de partes de um número maior;
  • sugerir desafios e dinâmicas que incentivem o uso de estratégias para se chegar ao resultado correto;
  • incentivar os alunos a visualizar o processo de troca;
  • integrar jogos que envolvam as peças douradas, para um aprendizado mais envolvente e divertido;
  • promover atividades em grupo, para uma melhor comunicação e compreensão mútua.

5 sugestões de atividades de Subtração com Material Dourado no 3° ano

Agora que você já sabe qual a importância, e como ensinar a Subtração com Material Dourado no 3° ano, é o momento de conhecer as nossas sugestões de atividades para esse tipo de estratégia. Vale dizer que todas as atividades a seguir podem ser moldadas conforme o nível de aprendizado da turma. Acompanhe!

1. Caça ao tesouro da subtração

Nesta atividade, o professor deve esconder dois conjuntos de blocos dourados pela sala de aula ou em área propícia para a realização de jogos na escola. Ou seja, um conjunto com 50 peças e outro com 30, por exemplo.

Após isso, deve dividir a sala em grupos ou pares e iniciar a competição. Os alunos precisam procurar pelos “tesouros” escondidos. Ao encontrarem, devem resolver juntos o problema de subtração.

Assim, suponhamos que o primeiro grupo ou dupla encontre os conjuntos mencionados acima: 50 e 30 peças. Eles devem colocar as peças sobre a mesa, contá-las e realizar a subtração, isto é, 50 – 30 = 20.

Com o resultado em mãos, eles precisam registrar na lousa, caderno ou papel designado para este fim. Vence o grupo que realizar encontrar mais peças e realizar mais subtrações. Vale destacar que não adianta apenas encontrar o tesouro, é necessário chegar ao resultado da operação.

Esse tipo de atividade promove, além do aprendizado da subtração, uma experiência divertida, que oferece maior interação e aprimoramento de habilidades.

2. Construindo Torres Subtrativas

Esta atividade pode ser feita por duplas, grupos ou individualmente. Nela, o professor irá distribuir cartões com problemas de subtração aos alunos. Ao receberem esses cartões, as crianças devem realizar as operações usando as peças douradas e, a cada acerto, devem ganhar um bloco para construírem sua torre.

Para esta dinâmica, é necessário que muitos problemas sejam previamente escritos em papéis. O professor pode usar os sugeridos nos próprios livros pedagógicos, ou retirá-los da internet, por exemplo. O que importa é que a quantidade seja bem grande, para que os alunos consigam solucionar uma porção deles.

Vence o grupo, dupla ou aluno que construir a torre mais alta, porém esse resultado só será dado ao acabar os cartões. Vale destacar que, caso a torre caia, o aluno está desclassificado da gincana.

Esta atividade tem diferentes objetivos, como o aprendizado da subtração, a interação em grupo e o desenvolvimento de estratégias.

3. Jogo da Subtração em Equipe

Para o jogo da subtração em equipe, basta dividir a turma em grupos e entregar conjuntos de blocos dourados para cada um deles. Assim como na atividade anterior, é necessário contar com problemas de subtração previamente escritos em cartões.

Os cartões são distribuídos para todos os grupos e as crianças devem usar o Material Dourado para chegar ao resultado de cada um dos problemas. A equipe que construir corretamente a representação do problema com as peças douradas, ganha pontos. Vence o grupo com maior pontuação.

Vale dizer que os problemas devem ser iguais para todas as equipes. Isso porque, dependendo da complexidade, um grupo pode demorar mais do que o outro e o objetivo é que o nível de dificuldade seja igual para todos.

Além disso, para vencer, os alunos devem representar o problema inteiro com os blocos dourados e não apenas o resultado. Ou seja, se o problema for: Augusto tinha 55 balas e comeu 10, quantas sobraram? Os alunos precisam representar o número 55, o 10 e o 45.

Esta dinâmica promove a interação, o aprimoramento de estratégias e a habilidade de resolver problemas rapidamente.

4. Estafeta da Subtração

Nesta dinâmica, as crianças devem ser organizadas em linha, uma ao lado da outra. No entanto, é necessário que haja duas linhas. Ou seja, se a sala possui 20 crianças, devem ser construídas duas linhas com 10 crianças cada.

Após isso, o professor deve fornecer um conjunto de peças douradas e um problema de subtração ao primeiro aluno de cada linha. Esse aluno irá resolver o problema usando o Material Dourado e, ao concluir, é a vez do próximo aluno que também receberá um conjunto de blocos e um novo problema.

A estafeta continua até que todas as crianças da linha tenham participado. Vence a linha que concluir a atividade primeiro.

O objetivo desta atividade é promover o trabalho em equipe, uma vez que para a linha ganhar, todos devem ter feito a sua parte. Além disso, a habilidade de realizar subtrações é aprimorada ao decorrer da dinâmica.

5. Criando Histórias Subtrativas

Diferentemente das atividades anteriores, as quais o professor é quem dá os comandos, nesta, são os alunos os protagonistas. Ou seja, as crianças devem criar histórias que envolvam situações de subtração.

Assim, cada um desenvolve uma narrativa e toda a sala precisa resolvê-la, usando os blocos dourados. A ideia é que todos os alunos participem, tanto na criação das histórias, quanto na resolução dos problemas.

Outra opção dentro da mesma dinâmica é que cada criança complete a história do outro com um novo problema. Desta forma, é criado uma história única com situações que vão se ampliando dentro da mesma narrativa.

Esta atividade estimula a criatividade e a aplicação, na prática, dos conceitos de subtração. Além disso, é uma oportunidade de realizar a interdisciplinaridade com a matéria de Língua Portuguesa, uma vez que a criação de histórias está envolvida.

Combine o ensino da Subtração com Material Dourado no 3° ano!

Até aqui, vimos que a subtração com Material Dourado no 3° ano é fundamental para auxiliar as crianças a compreenderem melhor esse conceito. O uso das peças douradas oferece uma abordagem prática e visual que facilita o entendimento das operações matemáticas.

No entanto, para o sucesso desse tipo de estratégia, é necessário implementá-la gradualmente e contar com atividades dinâmicas. Em outras palavras, os jogos com Material Dourado 3° ano, por exemplo, são excelentes para um ensino mais envolvente.

Além disso, apostar em atividades em grupo e utilizar as situações do cotidiano são maneiras de ajudar na interação entre as crianças e na assimilação de conteúdos. Isso porque, o trabalho em equipe e o uso dos contextos cotidianos facilitam a compreensão da matéria e tornam o processo mais simples e cativante.

Esperamos que as nossas sugestões de atividades de subtração com Material Dourado no 3° ano tenham sido úteis para você. Caso queira saber mais sobre o uso das peças douradas para essa série, acompanhe a nossa categoria do 3° ano e esteja atualizado sobre essa temática. Boa aula e até a próxima!

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.