Adição com material dourado no 2º ano

Nos primeiros anos do Ensino Fundamental é importante criar estratégias diferentes para que as crianças assimilem os conteúdos das aulas de matemática. Quando falamos no 2º ano, por exemplo, nos referimos aos alunos que conheceram conceitos básicos na série anterior e precisam aprimorá-los.

Neste contexto, podemos citar a adição, que é uma das formas mais comuns de as crianças se conectarem com a disciplina. Isso porque, por intermédio dela, é possível trazer os números do cotidiano das crianças e realizar cálculos que já estão presentes no dia a dia deles.

Para tornar esse processo de aprendizagem mais dinâmico e envolvente, é possível combinar atividades de adição com Material Dourado no 2º ano. Se você ainda não sabe o que é Material Dourado e suas infinitas possibilidades, irá encontrar muitos conteúdos por aqui.

No entanto, adiantamos que, neste artigo, o foco será as diferentes maneiras de unir adição com esse recurso muito usado, especialmente para o trabalho com crianças. Se deseja saber mais sobre o assunto, continue a leitura!

Como combinar a adição com Material Dourado no 2º ano?

Para combinar a adição com Material Dourado no 2º ano é muito simples, basta aplicar as atividades já sugeridas no livro e acrescentar o uso das peças douradas nas resoluções dos cálculos. Assim, vamos supor que um exercício solicite que o aluno some 10 + 10, por exemplo, basta, então, que ele utilize 20 cubinhos para a realização da tarefa.

Contudo, vale destacar que no 2º ano é comum que os cálculos estejam um pouco mais complexos. Isso significa que, ainda que as operações peçam a junção somente das unidades e dezenas, é provável que se usem números maiores. Em outras palavras, se na 1.ª série as crianças faziam cálculos até 20, na 2.ª isso pode se estender até 99.

Além disso, muito mais que os cálculos simples, os probleminhas matemáticos também estão presentes na 2.ª série e com uma dificuldade maior. Desta forma, também é possível combinar a adição com Material Dourado no 2º ano para a resolução desses exercícios.

Ademais, é importante que as situações-problema criadas para os primeiros anos do Ensino Fundamental sejam com base naquilo que o aluno já vivencia. Assim, ao invés de usar exemplos como:

“Juliana foi ao banco e pagou uma conta de R$50,00 e uma de R$40,00. Qual o valor total das dívidas que ela pagou?”

É mais interessante apostar em:

“Juliana gastou R$50,00 em uma semana na cantina da escola. Na outra, ela gastou mais R$40,00. Qual o valor total que ela gastou em 2 semanas?”

Ao usar as palavras doces e cantina, por exemplo, as crianças conseguem associar a disciplina à realidade. Além disso, as peças douradas podem ser muito úteis no momento da soma, pois por intermédio do manuseio, a assimilação ocorre mais facilmente.

Por que é importante unir a adição com Material Dourado no 2º ano?

Unir a adição com Material Dourado no 2º ano é importante por diversos motivos. O primeiro deles é que, ao manipular as peças para realizar somas, as crianças conseguem ter uma visão concreta da operação. Isso porque, através do caderno, da lousa e do livro, o conhecimento é apenas abstrato.

Outro ponto importante quando falamos da união da adição com Material Dourado no 2º ano, é que muito além dos cálculos, é possível investir em jogos. As peças douradas abrem um leque para que as crianças possam se divertir enquanto aprendem.

Ademais, quando ferramentas pedagógicas são usadas no processo de ensino-aprendizagem da matemática, a compreensão fica mais simples, pois os estímulos visuais ajudam para que as respostas sejam facilitadas.

Um bom exemplo disso é que, ao usar o Material Dourado na hora de somar, sejam cálculos simples ou resolução de problemas, os alunos estabelecem uma conexão entre os números e as quantidades que eles representam. Assim, muito mais que fazer contas, as crianças entendem toda a lógica por trás das operações.

Por fim, essa combinação também é fundamental para um melhor engajamento com a matéria e socialização da turma, uma vez que as atividades dinâmicas impulsionam a interação e o trabalho em equipe.

5 sugestões de atividades de adição com Material Dourado 2º ano

Agora que você já sabe como combinar adição com Material Dourado no 2º ano, chegou o momento de conhecer 5 sugestões para facilitar esse processo. Acompanhe!

1. Construção de números

A atividade de construção de números é muito importante para que as crianças aprendam a representar os algarismos usando o Material Dourado. Nela, os alunos conseguem explorar unidades e dezenas sem nenhuma dificuldade.

Para realizá-la, basta que o professor distribua as peças douradas para os alunos de forma individual ou em grupo e sorteie dois números para cada um deles. Assim, suponhamos que o número sorteado seja o 47 e o 22, por exemplo.

Neste caso, os alunos podem representá-los usando 4 barras e 7 cubos, 47 cubos ou 2 barras e 2 cubos ou 22 cubos. Independentemente da forma que usarem, o que importa é chegarem ao número correto.

Ao fim das representações, é ideal que as crianças façam a soma desses dois números, também usando o Material Dourado. Assim, além de construir algarismos, elas também irão praticar a adição.

2. Contagem e adição

Semelhante à atividade anterior, a dinâmica da contagem e adição se inicia pela soma e depois pela construção. Ou seja, o professor deve aplicar algumas contas simples, como 20 +15, por exemplo, e pedir aos alunos que realizem a operação usando as peças douradas.

Após chegarem ao resultado, devem representá-lo por meio do Material Dourado. Assim, usando o exemplo acima, 20 + 15 é igual a 35 e este será o número que eles irão construir com as peças douradas.

Durante a atividade, é essencial ir ampliando a dificuldade e ainda avaliar quantos acertos a turma teve. Diferentemente da atividade anterior, nesta, os alunos realizarão mais somas e, com isso, fixarão melhor o conteúdo.

3. Problemas do mundo real

Os populares “probleminhas matemáticos” não podem ficar de fora da nossa seleção de atividades de adição com Material Dourado no 2º ano. No entanto, como já ressaltamos, o ideal é que esses problemas sejam, de fato, do mundo real das crianças.

Assim, o professor deve distribuir uma série de situações para os alunos, em grupo ou duplas e pedir que cheguem à solução usando o Material Dourado. Para intensificar a dificuldade, é sugerido que haja uma competição entre a turma e vence as duplas ou grupos que tiverem um melhor desempenho durante a dinâmica.

Além de ser uma atividade que combina a adição com o Material Dourado, ela ainda auxilia na interação entre os alunos, já que é necessário haver trabalho em equipe. Ademais, os problemas do mundo real também auxiliam com o desenvolvimento do raciocínio lógico.

4. Comparação de números

Nesta atividade, é sugerido usar duas caixas e dividir a sala em dois grupos. Ambos os grupos receberão uma caixa e um conjunto de blocos dourados. Após essa etapa, o professor deve fazer uma espécie de maratona de adição, na qual cada grupo deve realizar as operações usando o Material Dourado, e vence aquele que chegar ao resultado em menor tempo.

O grupo vencedor depositará o resultado de cada operação, por meio das peças na caixa da outra equipe. Assim, se o resultado for 30, o grupo que perdeu a rodada deposita 30 cubos na caixa do grupo vencedor.

Ao fim da competição, as caixas são abertas e somadas, vence o grupo com o maior número de peças. O interessante dessa dinâmica é que o vencedor final nem sempre será o grupo que mais acertou as operações, mas sim, o que teve mais sorte ao acertar as operações de números maiores.

5. Explorando padrões

Nossa 5.ª e última sugestão de atividades de adição com Material Dourado no 2º ano, tem o nome de “explorando padrões”. Nela, os alunos devem criar sequências numéricas com o Material Dourado, investido em padrões.

Para exemplificarmos, um aluno pode criar uma sequência com cubos, da seguinte forma:

5, 10, 15, 20 e 25 ou 11, 22, 33, 44, 55.

Nas duas sequências, é possível notar que houve um padrão. Na primeira, o padrão usado foi o de 5 em 5 e na segunda o de 11 em 11. No entanto, existem diversos padrões a serem criados e isso ficará a critério de cada aluno.

Após todas as sequências serem representadas na mesa ou no chão, a turma deve se reunir para entender como cada uma foi criada. Ou seja, irão discutir e identificar cada uma dos padrões. Para encerrar, é fundamental somar a sequência, ou seja, 5+ 10 + 15 +20 +25, dependendo do resultado o professor pode auxiliar o aluno.

Combine a adição com Material Dourado no 2º ano!

Até aqui, foi possível notar que a combinação da adição com Material Dourado no 2º ano é de extrema importância para uma melhor assimilação do conteúdo. Desde a 1.ª série, a adição é a porta de entrada para outras operações matemáticas e, ainda que a turma já consiga subtrair, dividir e multiplicar, a soma nunca deve ser deixada de lado.

Nesse sentido, o Material Dourado entra como um facilitador para o aprendizado e, por meio dele, as crianças conseguem ter uma ampla visão da matéria. Em outras palavras, realizar operações com as peças douradas, é fundamental para que as crianças consigam entender a operação, na prática, e de forma concreta.

Além disso, como destacamos algumas vezes, é importante trabalhar sempre com exemplos que fazem parte do cotidiano dos alunos, para que assim, eles visualizem a matéria de forma mais simples e consigam absorvê-la.

Esperamos que as nossas sugestões de atividades de adição com Material Dourado no 2º ano tenham sido úteis. Vale reforçar que, cada uma delas pode ser adaptada conforme o nível que os alunos estejam. Ademais, caso queira conhecer outras atividades com Material Dourado para o 2º ano, basta clicar aqui.

Se o conteúdo foi útil para você, deixe as suas impressões abaixo. Lembre-se também de compartilhá-lo para que mais pessoas sejam alcançadas e possam transformar as aulas de matemática em um momento de aprendizado e diversão! Até a próxima!

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.